Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

15/01/2016

Tecidos para moda pet

Por Thais Beloso

Estilista e modelista autônoma (moda feminina casual e moda pet)

O mercado pet vem crescendo a cada ano e se tornando mais e mais competitivo. Já são inúmeras marcas, modelos e acessórios que compõem a seção de beleza nas lojas de agropecuária, trazendo sempre novidades e deixando o consumidor maravilhado diante de tantas opções e tecidos para moda pet.

A busca pela inovação nesse mercado trouxe mudanças significativas e importantíssimas para a produção, tornando nossas empresas mais competitivas, capazes de oferecer produtos de qualidade e com um preço mais acessível. Porém, a escolha dos tecidos para moda pet deve ser muito bem pensada.

Capa para pet dupla face feita de Soft e Tricoline

Foto: Autor

 

Às vezes, para se reduzir o custo da produção, algumas empresas optam por tecidos mais baratos e de baixa qualidade, reduzindo o tempo de vida útil da peça e causando desconforto para o animal. Outras empresas já não economizam na hora de produzir e utilizam tecidos caríssimos, mas que não se adéquam às necessidades do pet, podendo causar incômodo e até mesmo ter uma baixa durabilidade, como no caso do uso de tecidos muito delicados.

 

Leia também: Tecidos combatem mau cheiro de animais

 

A análise do tecido a ser utilizado na roupa é fundamental. Deve-se levar em conta diversas características comportamentais do pet, como por exemplo, o comprimento do pelo, o fato dele se coçar com as unhas, viver em contato com a terra e temperatura ambiente.

 

Tendo essas características em mente é possível realizar uma boa escolha e optar por tecidos que não causam irritação, puxam pelos ou enroscam facilmente. Um dos tecidos para moda pet mais utilizados é o Soft (microsoft). Feito de poliéster e elastano, ele apresenta uma estrutura mais felpuda, um toque agradável, um baixo custo, não causa alergia e é capaz de aquecer e proteger o pet.

Descrição: Tecido Soft

Foto: Autor

 

Depois temos sarja, brim, plush, flanela, moletom e malhas de PV e algodão que também podem ser utilizados. Tecidos pesados e com toque mais seco, como o brim e a sarja, devem ser forrados para não agredir o couro do animal. Já tecidos como cetim, seda e musseline são leves e possuem um toque suave, porém puxam muito fio e criam eletricidade estática (o que faz o pelo do animal ficar arrepiado), tornando-se inadequados para os bichinhos.

Descrição: Tricoline de algodão listrado

Foto: Autor

Desta forma, ao desenhar a peça, é legal já ter em mente os tecidos para moda pet que são mais adequados. Isso garantirá qualidade e sucesso no desenvolvimento da sua colecão.

 

Saiba mais:

Moda pet: cuidados e necessidades

Tecidos combatem mau cheiro de animais

Roupa impede que surfista seja percebido por tubarões

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

custos-invisiveis-moda-audaces

16/10/2020

O que são custos invisíveis e como eliminá-los da confecção de moda

Escrito por Audaces

gerente-de-producion-actividad-profesional

15/10/2020

Gerente de produção: o que esse profissional realiza?

Escrito por Audaces

tabela-de-medidas

13/10/2020

Tabela de medidas feminina: diversidade de corpos e o que diz a ABNT

Escrito por Audaces