A crescente do movimento See Now, Buy Now

Uma tendência que começou no ano passado no desfile da marca Burberry, na London Fashion Week, ganhou ainda mais adeptos e se tornou um dos comentários centrais da última edição da São Paulo Fashion Week. Apelidado de movimento See Now, Buy Now (ou Veja Agora, Compre Agora, em tradução livre), a ideia que começa a dominar as principais semanas de moda do mundo é a diminuição do espaço entre apresentar uma coleção em uma passarela e ela efetivamente chegar às araras das lojas.

Tradicionalmente, um consumidor teria de esperar em média seis meses entre ver uma peça moldada no corpo de uma modelo nos desfiles e conseguir comprá-la. Hoje, a pretensão é reduzir esse tempo para um mês ou apenas algumas semanas. A Riachuelo, por exemplo, liberou as roupas para comercialização no dia seguinte ao seu desfile da SPFW. De acordo com os organizadores do evento brasileiro e do britânico, essa mudança na moda afetará diretamente as vendas, porque deixará ainda mais latente um fator determinante nesse ramo: o desejo.

Por isso o conceito See Now, Buy Now fala diretamente com o novo tipo de consumidor. Ele vê nas redes sociais as principais tendências do mundo da moda em primeira mão e não precisa mais esperar as grandes revistas do segmento dissecar as novidades com calma e ir criando informações atraentes sobre elas.

Comenta-se já há algumas temporadas que essa espera estava deixando as roupas com cara de “velhas” ainda enquanto estavam sendo tiradas dos plásticos e colocadas na araras. Afinal, já tinham sido vistas meses antes. Você pode entender mais sobre esse movimento na matéria do Bom Dia Brasil sobre o tema. Clique aqui para assistir.

Como o See Now, Buy Now está mudando o fast fashion?

Segundo designers e especialistas do setor, uma das mudanças mais perceptíveis desta nova maneira de encarar o mercado de moda será a diminuição no número de desfiles e peças conceituais. O que aproximará ainda mais algumas marcas vanguardistas das de fast fashion. A justificativa é que não haverá mais tempo hábil para que as primeiras façam os consumidores assimilarem tendências mais complexas através de marketing, revista e mídias digitais. Será necessário que a peça valha por si só e crie sozinha um desejo de compra nas pessoas.

A mudança no calendário da moda também mostra o ritmo no qual os consumidores querem adquirir novas tendências e se enjoam das que já estavam à mostra. Esse conceito se molda muito bem ao que as marcas fast fashion conhecem e reproduzem há anos, com suas inúmeras coleções e uma visão pautada pela agilidade na entrega de itens de desejo aos consumidores em pouco tempo. Conheça mais desse universo no e-book da Audaces “Fast Fashion: como atuar com o público certo na hora certa”.

Analistas do setor afirmam também que possivelmente em um primeiro momento apenas marcas com mais estrutura e porte poderão aderir ao movimento See now, Buy Now, já que ele exige uma readequação grande na maneira como as coleções são estudadas e produzidas dentro das fábricas.

Mas com o tempo, a tendência, assim como acontece na moda, deve chegar a todos.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *