Audaces - Improve your design

Design de moda com foco em resultados para seu negócio

Ícone de Pesquisa

27/10/2014

Moda praia tipo exportação

Por Eduardo Vilas Bôas
Professor de Moda do Senac SP

Os biquínis foram batizados inicialmente de átomos (em função do seu pequeno tamanho), mas quando os Estados Unidos, em 1946, fizeram testes com a bomba atômica no atol de Bikini, o traje foi renomeado, propondo que uma mulher de biquíni provocaria, à época, o efeito de uma "bomba atômica".

Oficialmente a invenção do biquíni é atribuída ao engenheiro automotivo francês Louis Réard, em maio de 1946, mas hoje sabe-se que existem mosaicos na Villa Romana del Casale, na Itália, que mostram mulheres praticando esportes e se exercitando na praia há 600 anos antes de Cristo.

 

 

 

 

Mulheres tardo-romanas de biquíni na Villa Romana del Casale

Apesar disso tudo, foi o Brasil que soube trabalhar a imagem e modelagem dos biquínis, tornando-se um country-label (maior referência) no segmento. Tradicionalmente a moda brasileira não tem bons índices de exportação, mas a moda praia é o segmento que lidera o ranking. E os Estados Unidos são, há 10 anos, o principal comprador de beach wear, segundo dados da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan).

Para exportar, no entanto, algumas adequações são necessárias ao produto, já que a consumidora estadunidense tem hábitos diferentes da brasileira. Por exemplo, enquanto aqui adquire-se várias peças a cada nova estação, as americanas permanecem com poucas peças por um período de até três anos (a exceção das altas classes). O mercado consumidor de moda praia lá é altamente segmentado, quer seja por preço, geografia, demografia, estilo de vida, etc.

Embora as americanas sejam as estrangeiras que melhor aceitam o produto Made in Brazil, elas ainda preferem biquínis de modelagem maior.

 

 

Em relação a preço há três tipos de comportamento. Aquelas que optam por biquínis baratos (até US$ 50) e não estão preocupadas com a qualidade; as que optam por pagar um preço intermediário (entre US$ 50 e US$80) e tomam a decisão baseadas no design e no caimento do produto; e, por fim, aquelas que optam pela marca (acima dos US$ 80), onde se enquadram os produtos brasileiros.

O maior problema enfrentando pelas marcas nacionais é o valor adicionado ao longo da cadeia de exportação. O produto pode chegar ao cliente final nos EUA com um acréscimo médio de 13 vezes seu valor original. Isso obriga a redução de custos no processo produtivo, o que inviabiliza o interesse de exportação para muitos dos pequenos confeccionistas – a grande maioria do setor.

Enfrentamos também forte concorrência dos produtos mexicanos, que têm apelo cultural, qualidade e não são sobretaxados na importação, como ocorre com os produtos brasileiros, já que o México integra a NAFTA (Tratado Norte-Americano de Livre Comércio).

Portanto, para a moda praia brasileira continuar competindo – e voltar a crescer – no mercado internacional, deve haver muito esforço dos Governos e empresários concentrado na diferenciação e exclusividade da chamada marca-Brasil.

 

 

 

 

 

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Você também pode gostar de ler:

modelagem-e-costura-novo-podcast-apresenta-influenciadora-digital-audaces

20/09/2019

Novo podcast apresenta influenciadora digital que ensina modelagem e costura

Escrito por Audaces

desenvolvimento-de-colecao-de-moda-estrategias-acertar-audaces

19/09/2019

3 estratégias para acertar no desenvolvimento de coleção de moda

Escrito por Audaces

17/09/2019

Gestão de moda: 7 cases de sucesso para se inspirar

Escrito por Audaces