Moda em quatro fases: Era Vitoriana

Neste terceiro post da série “*Moda em quatro fases*”, que envolve a moda do século XIX, a palavra de ordem era a prosperidade material, industrial e o início do que podemos denominar como alta-costura.

ERA VITORIANA: Uma moda capitalista.
Nesta época, aproximadamente 1850, Napoleão III comandava a França e a rainha Vitória a Inglaterra. Período de comércio e negócios em uma sociedade de consumo, na qual ocorre a Revolução Industrial e a prosperidade material.

Armações de aros de metal e um enorme e cônico volume de saias representaram, em prestígio e esplendor, esta época de capitalismo.

Foi um período em que a moda encontrou uma forma de se diferenciar, devido ao poder dos novos burgueses industriais. Eis que surge na década de 1850, na França, o conceito de alta-costura, nas mãos de um inglês radicado em Paris, chamado Charles Frederick Worth. Neste momento, também acontece o surgimento da máquina de costura – mais parecida com a dos tempos atuais.

 

Uma tarde de domingo na Grande Jatte – Georges Seurat (Instituto de Arte, Chicago)

Imagem: LAVER, James. A roupa e a moda – uma história concisa. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 1989.

Entra para a moda o prestígio do artista, o criador de moda que exterioriza a vontade feminina no vestir.
É contrastante dizer que ao mesmo tempo em que surge a alta-costura feminina, surge a roupa do homem para trabalhar, em plena era industrial.

 

 

 

Imagem: PEACOCK, John. The chronicle of western costume. Londres: Editora Thomes & Hudson LTDA, 2003

 

Com o passar do tempo, as saias ganharam novas proporções. Deixaram de ser totalmente circulares e foram ficando retas na frente. E anos mais tarde, as saias começaram a possuir anquinhas, devant droit (frente reta) ou arrière (traseiro), com grandes caudas.

Enquanto os homens caminhavam para uma moda prática e previsível, as mulheres se complicavam com laços, adornos, chapéus, sombrinhas, ancas, já no final do período vitoriano.

Por Roberto Rubbo
Professor de Moda do Senac FAU

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *