Estilistas precisam entender de modelagem?

Por Nai Salvi
Designer de Moda, especialista em Criação e mestranda em Gestão do Design (UFSC)

 

A moda é uma área que abrange um grande número de atuações profissionais. Atuações estas que não ficam isoladas ou independentes umas da outras, elas interagem o tempo todo, e se complementam na construção dos resultados. Trabalhar com moda exige que você seja um profissional dinâmico, superinformado e com uma boa noção sobre todas as etapas do processo de desenvolvimento de produtos do vestuário.

 

É bastante comum encontrarmos profissionais especializados em determinada atuação, muito competentes e respeitados. Mas algo comumente ignorado e que os torna mais competentes, é propriamente o seu domínio, também, sobre as etapas que antecedem ou procedem a sua atividade. Estes profissionais compreendem que o desconhecimento do que pode vir antes ou depois, pode comprometer significativamente o seu resultado.

 

 

Um dos exemplos desse comprometimento são os estilistas que dominam, ou tem alguma noção, de como modelar. Para este profissional é fundamental saber de modelagem, pois pode ampliar a dimensão e as possibilidades de suas criações, evitando inviabilidades técnicas – por exemplo, quando o estilista projeta recortes ou efeitos que não podem ser reproduzidos nas peças físicas, ou que originam um processo muito trabalhoso, e consequentemente, mais custoso.

 

Saber modelagem implica conhecer a fundo os materiais e suas características. Remete diretamente a uma compreensão ergonômica, fisiológica e comportamental do corpo humano. Logo, exige uma compreensão ampla sobre o usuário final, biotipo, necessidades e preferências.

 

O estilista que tem esse entendimento consegue explorar mais efeitos, criar novas formas e soluções, evitando retrabalhos e favorecendo a fluidez do processo de criação, pois implica diretamente no conforto do usuário e na sua percepção de valor em relação ao produto.

 

Muitos profissionais da criação exploram a criatividade por meio de técnicas de modelagem. O mais comum é a construção de peças sobre manequim de moulage, o que chamamos de modelagem tridimensional. Por meio dela, o criador consegue visualizar os efeitos projetados em tempo real, construindo a peça de acordo com o resultado pretendido por meio da experimentação e da criatividade. Essa técnica é mais explorada entre profissionais que atuam em produção de menor escala, em moda festa, ou peças conceituais. Mas pode abranger qualquer tipo de vestuário, e ser aplicado para diferentes finalidades.

 

A moda permite muitas explorações, e a busca por meios de executá-las delimita o sucesso e a competência dos profissionais. Embora a rapidez e agilidade exigida pela indústria muitas vezes impeçam experimentações mais aprofundadas sobre as possibilidades da moda, um bom profissional sempre busca soluções complementares para agregar valor ao seu trabalho. Esta é apenas uma das muitas estratégias utilizadas pelos criadores. Diversas outras estão disponíveis para aplicação, por exemplo, a modelagem no computador. Veja como é fácil fazer moldes digitais baixando o e-book gratuito da Audaces, clique aqui.

 

Leia também:

O segredo dos estilistas: o que existe por trás de coleções lendárias

Entrevista com Pati Cuozzo: o que faz um stylist de moda

A importância de conhecer o processo de modelagem para o desenvolvimento de um bom desenho técnico

 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *