Entrevista – Marcelo Souza da Silva

A entrevista do Clube News desta segunda quinzena de julho é com o professor da Faculdade SENAI-CETIQT, Marcelo Souza da Silva. Ele é técnico em confecção, formado pelo próprio SENAI-CETIQT, e cientista da computação pela Universidade Paulista Campus Flamboyant. O professor Marcelo trabalha na área de confecção desde 1996 e, em breve, será colunista do blog Falando de Educação, do portal Audaces.

Na conversa, a seguir, ele aborda o contexto atual do setor de confecção e vestuário no país, comenta a transição da modelagem manual para a computadorizada e fala a respeito das competências necessárias para o profissional de modelagem ter êxito no mercado, entre outros assuntos. Acompanhe.

Clube News – Como professor, quais são suas perspectivas para a indústria de confecção de vestuário no Brasil?

Marcelo Souza da Silva – De uma forma geral, as empresas deverão estar mais dinâmicas para se adaptar rapidamente e atender às necessidades do mercado. A indústria do vestuário, hoje, vive um momento complicado, tanto em decorrência dos produtos importados quanto do momento econômico delicado pelo qual o país passa. Por mais complicado que pareça, o momento é de inovar, tanto no processo quanto no produto. Somente assim, conseguiremos produtos diferenciados com mais valor agregado, produtos que remetam às culturas do nosso país, isso aliado à inovação do como fazer, para que o processo seja ágil e eficiente e o produto tenha um preço para concorrer no mercado. O desafio é grande, mas esse é o momento de repensar a forma de trabalho, buscar parcerias privadas e governamentais e estar de olho nas tendências que o mercado nacional e internacional apontam.

CN – Você vivenciou a transição da modelagem manual para a computadorizada. Poderia relatar como foi essa passagem, tanto do ponto de vista das empresas quanto da mão de obra da área?

Marcelo – Quando comecei a trabalhar com sistemas de CAD, isso há 19 anos, tudo era muito novo, então, a visão sobre a ferramenta era um tanto limitada. Por parte da empresa, via-se o sistema apenas como uma forma de economizar tecido através de encaixes mais eficientes. Por parte dos funcionários, um medo do famigerado desemprego estrutural. Temia-se muito que, com a implantação do sistema, os funcionários fossem substituídos. Com a popularização da informática no dia a dia da nossa sociedade, essas impressões mudaram radicalmente. Os empresários passaram a entender que o ganho vai muito além da economia de tecido. Afinal, a empresa passa a ter maior agilidade e flexibilidade no desenvolvimento das modelagens, aumentando a qualidade e tornando o processo de modelagem mais eficaz. O funcionário, por sua vez, passa a ver o uso de sistemas informatizados como uma necessidade para se manter atualizado e no mercado de trabalho. O que mais ouço dos meus alunos, seja nos cursos de graduação ou de extensão, é que, hoje, quem não tem o conhecimento do sistema informatizado de modelagem no currículo tem dificuldades de se fixar no mercado de trabalho.

CN – Na sua visão, quais competências o profissional de modelagem deve possuir no contexto atual, marcado pelo constante avanço da tecnologia?

Marcelo – Hoje, o profissional de modelagem precisa ser uma pessoa ligada em tecnologia, pois é inegável que ela vai dominar o mercado de trabalho. É preciso ter uma visão mais abrangente da modelagem, começar a se preparar para sair do mundo das duas dimensões, pois a modelagem em 3D já é uma realidade e acredito que em pouco tempo vai estar mais presente na nossa vida. Ter a mente aberta para o novo e desenvolver formas mais eficazes de fazer aquilo que já é feito de maneira eficiente também será fundamental para se manter no mercado.

CN – Você possui um projeto de videoaulas, no YouTube, em que ensina o manuseio de sistemas CAD, como o Audaces Vestuário. Conte-nos um pouco dessa experiência e do feedback que recebe dos alunos.

Marcelo – Considero que os resultados são muito positivos, pois os alunos veem nessa iniciativa uma ferramenta de apoio muito importante ao aprendizado. Além dos meus alunos, recebo muitos e-mails e mensagens, pelas redes sociais, dizendo o quanto as videoaulas ajudam muito as pessoas. Isso me surpreende bastante, pois quando as videoaulas de Audaces Vestuário foram criadas a intenção era servir de apoio para os alunos que faziam aula comigo, e não funcionar como uma espécie de ensino a distância. Isso me deixou muito feliz, recebo mensagens de pessoas de outros países, inclusive países que não falam português, como a Turquia. É claro que o fato de o aluno poder treinar em casa com o uso do Audaces Vestuário Demo é o que torna as videoaulas populares, pois os meus seguidores no YouTube podem reproduzir o que eu mostro nos vídeos.

CN – Como você avalia a prática da pirataria de softwares na indústria de confecção?

Marcelo – A pirataria é uma prática reprovável sobre qualquer ângulo, como bacharel em Ciências da Computação sei quanto esforço e conhecimento é empregado no desenvolvimento de um software como o Audaces Vestuário. Também vejo como a prática da pirataria é prejudicial para a empresa que fabrica o software e também para os clientes que adquirem uma licença de forma legal. Infelizmente, existem pessoas que optam por esse caminho, mesmo sabendo que é crime e que não terão nenhuma garantia ou suporte. Infelizmente, muitas pessoas acham que o motivo de eu ter videoaulas no YouTube é vender programa pirata e me enviam e-mails e mensagens perguntando sobre preço ou de onde baixar o crack do programa. Como educador, eu faço a minha parte informando que pirataria é crime e que minha intenção não é vender programas piratas e sim divulgar e dar apoio aos meus alunos e demais pessoas que tenham necessidade de aprender sobre CAD, e também divulgar meu trabalho e metodologia de ensino.

CN – Você passará a ser colunista do blog "Falando de Educação", do Portal Audaces. Poderia adiantar para os nossos clientes o que abordará nesse espaço?

Marcelo – Há muito tempo que tenho vontade de fazer novas videoaulas, tanto para atualizar as que já tenho no YouTube, que foram feitas em uma versão antiga do Audaces Vestuário Demo, quanto para mostrar que o Audaces pode ser utilizado para resolver muitos problemas que encontramos nas aulas e, claro, na indústria também.

Então, os clientes Audaces podem esperar videoaulas mostrando funções novas do sistema, formas de otimizar o trabalho e também o uso do sistema como ferramenta de solução de situações problemas. 

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *