Como a arte indígena pode contribuir com a pesquisa de moda?

Lucía Andrea Vinatea Barberena
Designer, antropóloga e empresária de moda

 

A relação dos índios amazônicos com seus objetos muito tem a nos ensinar sobre a nossa própria relação com nossos objetos. Cada grupo amazônico tem as suas particularidades, mas, em linhas gerais, podemos encontrar algumas características em comum relevantes para a pesquisa de moda.

O corpo

O corpo, para um indígena, não é um mero substrato biológico que se desenvolve independentemente da nossa vontade, como o é na visão ocidental. O corpo precisa ser construído, forjado, produzido, através de intervenções como ornamentos, pinturas corporais, etc. Não existe essa oposição entre corpo e alma. Aliás, em uma língua amazônica, “corpo” e “alma” são uma mesma palavra.

Por esse mesmo motivo, as sociedades indígenas realizam um investimento enorme sobre o corpo. Estas transformações corporais são as responsáveis por conferir certas qualidades sociais desejáveis. Um corpo, para poder ser considerado humano, deve ser ornamentado. As crianças de uma comunidade indígena recém-nascidas devem receber seus primeiros ornamentos justamente para começar a se tornarem humanas!

Transpondo estes postulados para a nossa sociedade, podemos traçar paralelos com a moda. Quantas intervenções realizamos sobre os nossos próprios corpos? A maquiagem, os cosméticos e as cirurgias plásticas nada mais são do que ações para produzir nossos corpos. A diferença é que nós lhe atribuímos a condição de artificialidade: quanto mais intervenções recebe um corpo, mais artificial este se torna. No entanto, para a visão indígena, é totalmente o contrário: quanto mais ações sobre o corpo, mais humano este se torna.

.

indigena-moda-corpo-audaces-imagem1

Ornamentos indígenas. Fonte: galeria.obviousmag.org

 

Os padrões

O povo amazônico Piro realiza padrões complexos e intrincados que são aplicados em praticamente tudo aquilo que eles produzem em termos materiais. A beleza, para o povo Piro, é “ter padrão”. Os animais e certos elementos da natureza, que possuem padrões intrínsecos, são considerados belos (a cobra, por exemplo). Já os seres humanos possuem naturalmente padrões em seus órgãos internos, mas a pele precisa ser padronizada. Os objetos produzidos pelas pessoas também devem receber padrões para tornarem-se belos.

Traçando um paralelo com o ocidente, recordo-me imediatamente das tatuagens, que são intervenções de padrões gráficos sobre a pele para tornar o corpo mais belo! E em relação aos nossos objetos, lembro-me das artes ocidentais até o início do século XX. O barroco, por exemplo, foi uma explosão de padrões e ornamentos sobre os objetos: sem utilidade funcional aparente, mas de riqueza visual indiscutível.

.

indigena-moda-corpo-audaces-figura2

Pinturas corporais indígenas. Fonte: materiaincognita.com.br

 

Ética x estética

Para as sociedades indígenas, a ética e a estética não existem separadas uma da outra. A estética é a responsável por prover qualidades morais, ou seja, pela ética. Ser belo e ornamentado (estético) implica em possuir qualidades moralmente desejáveis (ético). Por exemplo, para ouvir bem, certos povos acreditam que devem ornamentar as orelhas – e ouvir bem é uma qualidade moral, por sua vez, inseparável da estética, que corresponderia ao ornamento.

Ao ler estas linhas, inevitavelmente me questiono sobre a nossa própria sociedade. Será que não passamos muito tempo tentando separar ética de estética e, graças a isso, deixamos de perceber o quanto os objetos estão entranhados em nossas culturas? Talvez esse seja um dos motivos pelo qual ainda tenhamos tanta dificuldade em entender o consumo, e isto afeta diretamente a pesquisa de moda, que acaba por não saber exatamente com qual fenômeno estamos lidando.

.

indigena-moda-corpo-audaces-figura3

Ornamentos indígenas labiais e auriculares. Fonte: evolutionbody.blogspot.pe

.

Deixe um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *